Epidemiologia da Dengue: análise em diversas regiões do Brasil

  • Rafaela Mota Oliveira
  • Luiz Raphael Mota Oliveira

Resumo

A dengue encontra-se presente em aproximadamente todo o país, expansão influenciada pelo desenvolvimento urbano desenfreado associado à falta infraestrutura e questões climáticas. Discutir a situação epidemiológica da dengue no território brasileiro. Revisão de literatura, com seleção publicações dos últimos dez anos que apresentassem dados epidemiológicos da dengue. A região Centro-Oeste destacou-se negativamente em 2017. A região Sudeste sempre apresentou grande número de notificações, mas em 2017 menos de um quarto vieram dessa região. A região Sul, por questões climáticas e sociais, sempre contribui com pequeno número de casos. A região Nordeste apresenta grandes variações ao longo dos anos. Já a região Norte concentra pequeno número de casos, sobretudo no estado de Roraima, mas este apresentou aumento no número absoluto nos últimos anos, o que pode ser explicado pelas questões imigratórias na fronteira com a Venezuela, área na qual o Exército Brasileiro já vem atuando e contribuindo na melhora das questões sociais e reduzindo a disseminação de doenças infecto contagiosas. A incidência varia ao longo do tempo e as regiões apresentam peculiaridades, necessitando políticas públicas específicas.
Dengue is present in nearly the entire country, expansion influenced by unbridled urban development associated with lack of infrastructure and climatic issues. Discuss the epidemiological situation of dengue in Brazilian territory. literature review, with selected publications from the last ten years that presented epidemiological data on dengue. The Center-West region stood out negatively in 2017. The Southeast region always had a large number of notifications, but in 2017 less than a quarter came from that region. The South region, due to climatic and social issues, always contributes with a small number of cases. The Northeast region presents great variations over the years.  The North region has a small number of cases, especially in the state of Roraima, but this one has increased in the absolute number in the last years, which can be explained by the immigration issues on the border with Venezuela, an area in which the Brazilian Army has been working and contributing to the improvement of social issues and reducing the spread of infectious diseases. The incidence varies over time and the regions present peculiarities, necessitating specific public policies. 

Referências

AQUINO JUNIOR, J. A dengue em área de fronteira internacional: riscos e vulnerabilidades na Tríplice Fronteira de Foz do Iguaçu. Tese de Doutorado – Setor de Ciências da Terra da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, p. 193. 2014.
AZAMBUJA, M. I. R; et al. Cidades, desigualdades e a dengue: lições de uma grande epidemia de dengue numa microárea de Porto Alegre, a Vila Sossego. Estruturas e dinâmicas socioespaciais urbanas no Rio Grande do Sul: transformações em tempos de globalização (1991-2010). Porto Alegre, Letra 1, 2016. p. 261-284.
BARBOSA, X. C. Território e saúde: políticas públicas de combate à dengue em porto velho/ro, 1999-2013. Tese de Doutorado – Setor de Ciências da Terra da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, p. 224. 2015.
BARRETO, M. L; TEIXEIRA, M. G. L. C. Dengue no Brasil: situação epidemiológica e contribuições para uma agenda de pesquisa. Estudos Avançados, Salvador, v. 22, n.64, p. 53-72. 2008.
BHATT, SAMIR et al. The global distribution and burden of dengue. Nature, London, v. 496, n. 7446, p. 504-507, abr. 2013.
BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: situação epidemiológica (de janeiro a abril de 2012). Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 43, n. 1, p. 1-5. 2017.
BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe epidemiológico da dengue, janeiro a junho de 2008. Boletim Epidemiológico, Brasília, 2008.
BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2015. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 49, n. 13, p. 1-10. 2016.
BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 50, 2017. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 47, n. 3, p. 1-12. 2017.
BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 11, 2018. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 49, n. 15, p. 1-14. 2018.
CÂMARA, F. P.et al. Estudo retrospectivo (histórico) da dengue no Brasil: características regionais e dinâmicas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.40, n.2, p. 192-196, 2007.
CATÃO, R. D. C. Expansão e consolidação do complexo patogênico do dengue no Estado de São Paulo: difusão espacial e barreiras geográficas. Tese de Doutorado - Pós-Graduação em Geografia da FCT/UNESP. São Paulo, p. 274. 2016.
CORTÉS, J. J. C., HONÓRIO, N. A., GIBSON, G., & PEITER, P. C. (2015). Determinantes sociais da distribuição espacial dos casos de dengue na faixa fronteiriça do Brasil. Revista Espaço e Geografia, Brasília, v. 18, n. 3, p. 611-638, jul. 2015.
GOULART, S. O., et al. DENGUE NO BRASIL: Gestão de políticas públicas de controle e erradicação. Revista Estudo & Debate, Lajeado, v. 23, n. 2, p. 280-295, jun. 2016.
JOHANSEN, I. C.; DO CARMO, R. L.. Dengue e falta de infraestrutura urbana na Amazônia brasileira: o caso de Altamira (PA). Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 15, n. 1, 2012.
LEONARDI, V. Fronteiras amazônicas do Brasil: saúde e história social. Marco Zero, 2000.
MACIEL, I. J.; JÚNIOR, J. B. S.; MARTELLI, C. M. T. Epidemiologia e desafios no controle do dengue. Revista de Patologia Tropical, Goiânia, v. 37, n. 2, p. 111-130, maio. 2008.
MARTINS, L.; DIONOR, G.; CONRADO, D; NUNES-NETO; N. F. Dengue, Zika e Febre Chikungunya: a abordagem socioecológica de saúde a partir de uma questão sociocientífica. Revista da SBEnBio, São Paulo, v. 1, n. 9, p. 3845-3856, set. 2016.
MISSÃO E VISÃO DE FUTURO. In: Exército Brasileiro. Brasília: 2018. Disponível em: http://www.eb.mil.br/missao-e-visao-de-futuro. Acesso em: 25 abr. 2018.
PACHECO, Teresa. Dengue: fatores endémicos e sociais. 2015. Tese de Mestrado – Instituto Universitário de Lisboa. Lisboa, p. 82. 2015.
PINTO, L. C.; OBREGON, M. F. Q., A crise dos refugiados na Venezuela e a relação com o Brasil. Derecho y Cambio Social, p. 1-21, jan. 2018.
ROMERO, I. C. A gestão de doenças infecto-contagiosas: o impacto do dengue na saúde pública. Tese – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Estadual Paulista. São Paulo, p. 72. 2015.
SCHERMA, M., OLIVEIRA, J.; FERRAZ, S. Cooperação internacional em saúde: um panorama da fronteira Brasil-Venezuela. Revista ESPACIOS, Caracas, v. 36, n. 01, p.9, jan. 2015.
TEIXEIRA, M. D. G., BARRETO, M. L., GUERRA, Z. Epidemiologia e medidas de prevenção do dengue. Informe epidemiológico do SUS, Brasília, v. 8, n. 4, p. 5-33, dez. 1999.
Publicado
2019-05-31
Como Citar
OLIVEIRA, Rafaela Mota; OLIVEIRA, Luiz Raphael Mota. Epidemiologia da Dengue: análise em diversas regiões do Brasil. EsSEX: Revista Científica, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 32-44, maio 2019. ISSN 1983-845X. Disponível em: <http://ebrevistas.eb.mil.br/index.php/RCEsSEx/article/view/2432>. Acesso em: 14 dez. 2019.