O impacto do estresse ocupacional e Síndrome de Burnout entre militares do Exército Brasileiro

  • Tainá Silva Vallim Moreira
Palavras-chave: Estresse ocupacional, Síndrome de Burnout, Doenças ocupacionais, Militares do Exército Brasileiro, Profissão militar

Resumo

A Síndrome de Burnout e o estresse ocupacional incidem de maneira significativa entre os trabalhadores quando as demandas físicas, cognitivas e psicológicas excedem suas habilidades em enfrentá-las, tornando-se hoje um problema de saúde pública devido ao impacto negativo que pode trazer a saúde e ao desempenho do trabalhador. Assim, este estudo se apresenta com a finalidade de investigar a presença desses transtornos especificamente na categoria profissional dos militares do Exército Brasileiro, através de um levantamento da casuística do estresse ocupacional nessa população na literatura atual, dimensionando o impacto físico, psíquico e social da doença. Esse estudo intenciona trazer à discussão os aspectos inerentes à profissão militar que podem ser considerados fatores de risco ou agravamento do estresse ocupacional e da Síndrome de Burnout, se é factível minimizar esses fatores desencadeantes, de que maneira é possível realizar o diagnóstico precoce e então oferecer tratamento a esses militares. Trazendo esses aspectos a discussão é possível propor e incentivar a inclusão de protocolos de investigação de transtornos ocupacionais nas inspeções de saúde regulares a que são submetidos os militares do Exército Brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Informações de recursos Humanos. Brasília: Ministério da Defesa, 2016a. Disponível em:
http://www.eb.mil.br/web/sobre/servidores. Acesso em: 27 maio 2018.

BRASIL. Ministério da Defesa. Portaria nº 012 – Estado Maior do Exército, de 29 de janeiro de 2014. Aprova o Manual de Fundamentos EB20-MF10.101 O Exército Brasileiro. Boletim do Exército, Brasília, n. 05, jan. 2014. Disponível em: http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/copiar.php?codarquivo=1231&act=bre. Acesso em: 28 maio 2018.

BRASIL. Presidência da República. Estado Maior das Forças Armadas. A profissão militar. Caderno de divulgação. Brasília, DF, 1995.

DAVID, L.M.L; FARIA, M.F.B. Qualidade de vida no trabalho: construção e validação de uma escala em organizações militares do Exército. R. Adm., São Paulo, v.42, n.4, p.431- 442, out. 2007.

EMILIO, E. V.; MARTINS, M. C. F. Resiliência e autoconceito profissional em policiais militares: um estudo descritivo. Mudanças: Psicologia da Saúde, São Paulo, v. 20, n. 1- 2,
p. 23-29, 2012. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistasmetodista/index.php/MUD/article/view/3341/312 7. Acesso em: 26 maio 2018.

JESUS, B. M.; SILVA, S. R.; CARREIRO, D. L.; COUTINHO, L. T. M.; SANTOS, C. A.;
MARTINS, A. M. E. B. L.; COUTINHO, W. L. M.; Relação entre a Síndrome de Burnout e as condições de saúde entre militares do exército. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, v. 10, n. 2 , 11-28, jun. 2016.

MARTINS, L. C. X.; KUHN, L. Prevalência de transtornos mentais comuns em jovens brasileiros recém-incorporados ao serviço militar obrigatório e fatores associados. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 6, p. 1809-1816, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n6/31.pdf. Acesso em: 26 maio 2018.

MENDES, D. M. C. O estresse e os militares em Missão de Paz: a política de suporte social e psicofísico aos militares brasileiros. 2013. 98f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia) - Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www.esg.br/images/Monografias/2013/MENDESD.pdf. Acesso em: 28 maio. 2018.

MURTA, Sheila. Programas de manejo de estresse ocupacional: uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, Brasília, v. 7, 2005.

NATIVIDADE, Michelle Regina da. Vidas em risco: a identidade profissional dos bombeiros militares. Psicol. Soc., Florianópolis , v. 21, n. 3, p. 411-420, Dec. 2009 . Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 71822009000300015&lng=en&nrm=iso. access on 16 July 2018.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822009000300015.

NEVES, E. B. Gerenciamento do risco ocupacional no Exército Brasileiro: aspectos normativos e práticos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 9, p. 2127- 2133, set. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n9/13.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

PASCHOAL, T.; TAMAYO, A. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia (Natal), Natal, v. 9, n. 1, p. 45-52, 2004. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/epsic/v9n1/22380.pdf. Acesso em: 26 maio 2018.

REIS, I. X. Militares portugueses em missão de paz: funcionamento familiar, resiliência e Stress. 2014. 64f. Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia) – Universidade de Lisboa, 2014. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/20451/1/ulfpie047396_tm.pdf. Acesso em: 28 maio. 2018.

SELYE, H. Stress, a tensão da vida. 2. ed. São Paulo: Ibrasa, 1959.

SIMMONS, A.; YODER, L. Military resilience: a concept analysis. Nursing Forum, v. 48, n. 1, p. 17-25, jan./mar. 2013.

SOUZA, W. F. Estudo prospectivo do impacto da violência na saúde mental das tropas de paz brasileiras no Haiti. 2011. 135f. Tese. (Doutorado em Saúde Pública) - Fundação Oswaldo Cruz, Rio De Janeiro, 2011. Disponível em: http://bvssp.icict.fiocruz.br/lildbi/docsonline/get.php?id=2423. Acesso em: 28 maio 2018.
Publicado
2019-11-26