Uso de Radioterapia de Intensidade Modulada no Tratamento de Pacientes Oncológicos no Hospital Central do Exército

  • Marina Lannes Vieira
Palavras-chave: Radioterapia, Radioterapia de Intensidade Modulada, Hospital Central do Exército

Resumo

O câncer é uma doença de grande letalidade cuja incidência vem aumentando nos últimos anos. A radioterapia consiste no uso da radiação ionizante, produzida por aparelhos ou ainda, emitida por radioisótopos naturais ou artificiais para fins terapêuticos e constitui como um dos três pilares do tratamento oncológico moderno. A radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) representa um dos mais importantes avanços da história da Radioterapia. Descrever a técnica de Radioterapia de intensidade modulada, benefícios, desvantagens, e número de casos tratados no Hospital Central do Exército divididos por sítio de tratamento. Trata-se de um estudo descritivo, por meio de revisão bibliográfica da literatura e análise descritiva de todos os casos tratados no Hospital Central do Exército com Radioterapia de Intensidade Modulada. Para análise dos casos foi utilizada a tabela de registro de pacientes da clínica de Radioterapia que consta data, sítio de tratamento e técnica utilizada no período de junho de 2017, mês do primeiro tratamento com a técnica estudada, até abril de 2018. Em relação ao sítio de tratamento dos pacientes que foram tratados com a técnica IMRT, dezessete tinham diagnóstico de neoplasia de próstata, quatro pacientes com tumores do trato gastrointestinal (TGI), quatro pacientes com tumores de cabeça e pescoço (CP) e um paciente com tumor de sistema nervoso central (SNC). Perspectivas futuras de ampliação do serviço com contratação de mais técnicos de radioterapia, médicos especialistas em radioterapia com o devido treinamento e aquisição de novas técnicas de tratamento, como radioterapia em arco rápido podem fazer com que a proporção de casos tratados com IMRT aumente, o que poderia levar a uma melhora no perfil de toxicidade dos pacientes tratados na referida instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO E SILVA, G. A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer
– INCA e Coordenação de Prevenção e Vigilância – Conprev. 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/situacao_cancer_brasil.pdf. Acesso em: 06 de maio de 2018.


DAHER, R.; TAMM, M.; VASCONCELLOS, H.; LANNES, A.M. Distribuição
epidemiológica dos casos de câncer tratados no primeiro ano da retomada de funcionamento do serviço de radioterapia do Hospital Central do Exército (HCE) – 2016/2017. Revista Científica do HCE, Rio de Janeiro, v.2, 2017. Disponível em: http://www.hce.eb.mil.br/destaques/374-2017. Acesso em: 06 de maio de 2018.


INTERNATIONAL UNION AGAINST CANCER: Introduction UICC Global Cancer Control. Geneve, Switzerland, UICC, 2005.


MACKEE, GM; CIPOLLARO, AC. Cutaneous Roentgen and radium therapy. X- rays and Radium in the treatment of diseases of the skin. Philadelphia: Lea & Febiger; 1946. p. 13-18.

OLIVEIRA, H. F.; TREVISAN, F. A.; BIGHETTI, V. M.; Radioterapia de intensidade modulada (IMRT) para pacientes do SUS: análise de 508 tratamentos em dois anos de instalação da técnica. Radiol Bras. 2014 Nov/Dez; 47(6):355–360.


SALVAJOLI, JV; SOUHAMI, L; FARIA, SL. Radioterapia em Oncologia. 2a ed. São Paulo: Ed Atheneu, 2013.


SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA - SBRT. Radioterapia de
Intensidade Modulada (IMRT). 2018. Disponível em: http://sbradioterapia.com.br/tecnicas-radioterapia/radioterapia-com-intensidade- modulada/#. Acesso em 06 maio 2018.
Publicado
2019-11-26