Calendário vacinal dos militares do Exército Brasileiro no Brasil uma proposta de atualização

  • Julianna Medeiros de Almeida Escola de Saúde do Exército
  • Vanessa Santos Costa Escola de Saúde do Exército
Palavras-chave: Vacinas. Imunização. Militares. Programas de Imunização.

Resumo

Ao longo do tempo, os militares foram vetores e portadores de patógenos infecciosos, o que levou a muitas mortes de militares em combate por doenças infecciosas até a Segunda Guerra Mundial. Neste contexto, as vacinas começaram a ser criadas, a fim de reduzir os impactos causados por epidemias avassaladoras, como uma solução econômica para garantir que os militares permaneçam saudáveis e sempre prontos para o combate. A profissão militar é considerada de risco quando atuam em missões em regiões com riscos epidemiológicos e com possibilidades de surtos causados por doenças imunopreveníveis. Este estudo tem por objetivo apresentar uma proposta de atualização do calendário vacinal dos oficiais e praças do Exército Brasileiro, necessária para a sua atividade laboral habitual e nas missões realizadas no Brasil, identificando quais seriam as vacinas necessárias para os militares e quais não estão sendo contempladas atualmente no calendário vacinal. Realizou-se um estudo qualitativo, observacional, sobre o calendário vacinal dos militares, oficiais e praças, do Exército Brasileiro, de ambos os sexos, de 20 a 59 anos, em 2019, no Brasil. Foram utilizadas as bases de dados: US National Library of Medicine (PubMed), Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e Google Acadêmico. Utilizou-se as palavras-chaves “Vacinas”, “Imunização”, “Militares” e “Programas de Imunização”, de forma isolada ou combinada. Utilizou-se também como base teórica os manuais, boletins e livros. Concluiu-se com este estudo que além das vacinas presentes atualmente no calendário de vacinação do militar no território nacional, outras vacinas como de Hepatite A, Varicela, Dengue e VIP deveriam ser acrescentadaspara as atividades laborais habituais. E, para as missões realizadas no Brasil, deveriam ser acrescentadas as vacinas de Raiva, Febre Tifoide, Meningocócicas B e ACWY.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-06-18