Através do "Projeto Hyloea Online", trabalho realizado pela Equipe da Revista Hyloea, seção de Informática e Museu Casarão da Várzea, capitaneados pelo Cel Ivan Angonese, o CMPA está disponibilizando, paulatinamente, as edições da revista Hyloea na Internet, a fim de que a Família Garança possa consultar todas as edições disponíveis.

Para conhecer a instituição e suas transformações, juntamente com as gerações que por ali passam, basta seguir a seqüência de seus números. Mas não é somente a história da instituição e dos seus formandos que está escrita e registrada em fotografias; também é excelente fonte de conhecimento da cidade, do país e do mundo em diferentes épocas.

A revista Hyloea, fundada em 1922 como órgão oficial da Sociedade Cívica e Literária (nome anterior da atual Sociedade Esportiva Literária - SEL), foi idealizada por um grupo de alunos das classes finais do Colégio Militar.

O primeiro presidente da Hyloea foi o aluno Heraclides Fontela. A revista teve como diretores e colaboradores insignes alunos que, mais tarde, viriam a ser grandes expressões na vida pública nacional, tais como Mario Quintana, Vasco Prado, Jarbas Passarinho, Henrique Beckmann Filho, Adalberto Pereira dos Santos, Dirceu Araujo Nogueira e muitos outros.

A denominação “Hyloea" foi uma homenagem e um engajamento dos alunos na luta pela Hiléia Amazônica, denominação dada à imensa floresta equatorial amazônica pelos naturalistas Alexander von Humboldt e Aimé Bonpland, que estava sob risco de internacionalização na segunda década do Séc. XX.

No decorrer de sua história, teve seu nome alterado para Hiléia, Revista da ESPPA e Hiloea. Em 1972, foi retomada a grafia original de Hyloea. A pronúncia correta é relativa à grafia "hiléia".